Água

Água: o bem mais precioso da Terra.

O dia em que a água for devidamente reconhecida como o bem mais precioso da Terra e os seres humanos procurarem adotar técnicas de manejos sustentáveis, estaremos caminhando na direção certa para a sobrevivência dos seres vivos que habitam nosso planeta. O Século XXI será decisivo quanto à adoção de manejos sustentáveis dos recursos hídricos. Duas frentes básicas desafiam este processo: o aumento crescente da população, com maior demanda por água, e a disponibilidade reduzida em função da sua má distribuição no Planeta, cuja origem está preconizada pelas mudanças climáticas globais nas próximas décadas.

                                                  

Dados estatísticos coletados pela ONU tem demonstrado que 250 milhões de pessoas em 26 países já lidam com escassez de água na atualidade, porém em trinta anos caso não façamos algo conjuntamente em todo globo terrestre poderão ser mais de 3 bilhões de pessoas sem água em mais de 52 Países. Esses estudos mostram que os países do oriente médio serão os mais afetados. O risco de confrontos bélicos e guerras internacionais serão latentes.

O Brasil é um país privilegiado no que diz respeito à quantidade de água. Temos a maior reserva de água doce do Planeta, ou seja, 12% do total mundial. Sua distribuição, porém, não é uniforme.  A Amazônia é a região que detém a maior bacia fluvial do mundo. O volume d’água do rio Amazonas é o maior do globo, sendo considerado um rio essencial para o planeta. Ao mesmo tempo, é também uma das regiões menos habitadas do Brasil. Em situação oposta, as maiores concentrações populacionais do país encontram-se nas capitais e nos centros urbanos de maior porte, distantes dos grandes rios brasileiros. O maior problema de escassez ainda é no Nordeste, onde a falta d’água por longos períodos tem contribuído para o abandono das terras e para a migração aos centros urbanos como São Paulo e Rio de Janeiro, agravando ainda mais o problema da escassez de água nestas cidades. Embora esse cenário tenha sofrido algumas mudanças mais recentemente, com certo fluxo migratório no sentido contrário, ainda é muito persistente a busca pelos grandes centros regionais do país. Acrescente-se a esse cenário, o fato de que os rios e lagos brasileiro vêm sendo comprometidos pela queda de qualidade da água disponível para captação e tratamento. Na região amazônica e no Pantanal, por exemplo, rios como o Madeira, o Cuiabá e o Paraguai apresentam a décadas contaminação pelo mercúrio, metal utilizado no garimpo clandestino e pelo uso de agrotóxicos na agricultura. Nas grandes cidades esse comprometimento da qualidade é causado por despejos de esgotos domésticos e industriais, além do uso dos rios como convenientes transportadores de lixo. Na região metropolitana de São Paulo é comum achar nas águas do rio tietê e pinheiros que circundam a cidade todo tipo de móveis e eletrodomésticos flutuando pelos canais desses importantes afluentes. Embora existam esses cenários preocupantes, o Brasil ainda está em condições privilegiadas em relação ao resto do mundo, principalmente quanto à disponibilidade de recursos hídricos, porém há de se pensar que os mesmos deverão servir às futuras gerações. ( conceito básico da sustentabilidade )

A ciência tem demonstrado que a água é essencial já que a vida se originou na água, sendo ela a matéria predominante nos organismos vivos. Não existe nenhum tipo de possibilidade de vivermos, nem de existir qualquer tipo de vida na terra sem esse que é o mais preciso dos líquidos. Usada para beber, cozinhar, limpar, resfriar equipamentos na indústria, irrigar a lavoura gerando alimentos para nossa subsistência, gerar energia, enfim, são inúmeras suas aplicações e que se formos relacionar aqui não teríamos papel suficiente para fazê-lo.

É impossível imaginar um tipo de vida em sociedade que dispense o uso da água, elemento essencial, porém sendo um recurso limitado não estará disponível infinitamente. Mesmo ocupando 70% da superfície da terra somente 3% é doce e dessa quantia menos de 1% vai para os rios ficando disponível para nosso uso. Geleiras, icebergs e o subsolo ficam com o restante. 
A água se encontra ameaçada pela poluição, pela contaminação e pelas alterações climáticas que o ser humano vem provocando. Além do perigo que representa para a saúde e bem-estar do homem, a degradação ambiental é apontada pela Organização Mundial de Saúde como uma importante ameaça ao desenvolvimento econômico. Em geral, uma pessoa só toma consciência da importância da água quando ela lhe falta.
A pergunta que fica é: como podemos enfrentar o problema dos prejuízos decorrentes das inundações, degradação, uso inadequado na agricultura, poluição e diversos outros fatores que prejudicam a existência de uma água de melhor qualidade em nosso planeta.

Com certeza e exatidão poderemos concluir que a busca pela sociedade moderna pela sustentabilidade é fator fundamental para a vida na terra hoje e com muita propriedade posso dizer que para as gerações futuras esse fator será primordial para a continuidade das espécies, incluindo o ser humano. As condições ambientais que encontramos em nosso dia-dia assustam-nos, pois é catastrófico imaginarmos a extinção da água na superfície da terra. 

Será que é esse o destino que queremos para nosso planeta?

A reflexão, aliada a pequenas ações pode nos tornar a partir desse momento fiscais da natureza, precisamos atuar em todas frentes de trabalho que procurem racionalizar o líquido mais precioso da terra. O amor por nosso planeta e por toda forma de vida que aqui existe passa a ser condição básica para nossa sobrevivência e de todas as gerações futuras. Faça sua parte.

                                                                                                                                                    Fortaleza, 22 de março de 2014.

                                                                              Danilo Ramos